terça-feira, 16 de setembro de 2014

coração da gente

e se de repente eu decidisse pintar as cores do mundo. hoje o teto poderia ser amarelo, amanhã quem sabe roxo, e cada outra cor quando assim a vontade pedisse. e se de repente eu decidisse cuidar dos jardins, e buscar primavera a todo instante. e se de repente eu decidisse colocar meus poros em folhas de papel, imprimindo histórias em terceira pessoa sobre mim. seria um ritmo diferente pro meu coração. é bem verdade que coração da gente não bate de qualquer jeito. coração da gente aprende a sentir o sopro da vida. coração da gente não é automático. há que se costurar o tempo das batidas.



Nenhum comentário:

Postar um comentário