domingo, 27 de janeiro de 2008

emocional

Hoje choveu por aqui
Sequei tudo com flores
Gosto de filmes que me transformam
Menina de ouro com certeza é um deles
Eu morreria por um sonho, e principalmente pela falta dele

Talvez eu seja egoísta
A morte é um círculo aberto
Não se fecha apenas em mim
Ela continua a traçar com o tempo

Nos tornamos mais fortes na presença de outras respirações
O ar se torna mais consistente
Certas coisas eu só faço quando eles estão aqui
Outras faço questão que sejam feitas na minha solidão
E estas coisas, as quais faço sozinha
São elas que falam sobre mim...

Sempre chega a hora de fechar o baú
Das memórias ainda espumantes, excitantes
Estes momentos revelam com facilidade a minha maior fraqueza
Trancar ilusões que não foram completamente desacreditadas
A favor da razão, contra toda a minha emoção

sábado, 26 de janeiro de 2008

ela

assim ela faz
inunda a minha alma
e faz transbordar além dos limites do meu corpo
presente na imensidão do meu destino
ela traça os caminhos mais brilhantes
aqueles que trilharia com os olhos vendados
pois sei que estaremos sempre de mãos dadas, acorrentadas...

segunda-feira, 21 de janeiro de 2008

lua e sol

esqueci por alguns dias que as pessoas também têm asas
lapso de memória que as vezes me engana com os caminhos mais curtos
a sabedoria geralmente se encontra nas pegadas da longa trilha
e de nada adianta flashes de felicidade

por isso meu coração volta a se acalmar
mas no fundo permanece num turbilhão de ventos

vou deixar que voe
no momento sairei de cena
estarei próxima: atrás das cortinas
distância necessária pra sentir a presença

agora só as passagens da Lua para o Sol poderão nos dizer
o que há por trás destes corações
tão aflitos em responder qual sentimento irá permanecer

sexta-feira, 11 de janeiro de 2008

distância física

eu pensei ser capaz de congelar a dor
e agora me vejo derretendo lágrimas
elas ainda são frescas e leves
não sabem o que há por vir...

a física enfim se mostra real
percebo que quilômetros foram percorridos
o céu que vejo já não é o mesmo que você vê
e ainda que faça Sol posso sentir o inverno com toda intensidade

em tempos de alta tecnologia
queria poder tocar seus poros através da tela
tento isso, mas os fios não o alcançam

fui até a janela
você não estava lá
fui buscá-lo na bala de sabor cereja
só encontrei um doce desfeito
irei até o Parque das Mangabeiras, até a Praça do Papa
até o Parque Rola Moça, a Praça da Liberdade,
até a Lagoa da Pampulha
seu cheiro ainda deve estar lá...

todos os dias fico a sua espera, como se através da minha fé eu pudesse remover as montanhas que insistem em permanecer entre nós.

sexta-feira, 4 de janeiro de 2008

meu amor

quisera eu poder congelar você numa moldura de nuvens
onde eu pudesse mirar os pensamentos a qualquer instante