sábado, 18 de fevereiro de 2012

veredicto final: inocente

não havia culpados, compreender a inocência de todos ao meu redor me tornava parte da pintura da imagem a ser pendurada entre bordas de um passado recente, não se tratava de erros, mas de curvas feitas por vezes em alta velocidade incompátiveis com o nosso ritmo de cada dia, a culpa não podia ser simplesmente de quem atirou a bala, apesar do alvo e direção, erámos todos parte desta guerra contra nós mesmos, acontece que o medo, a incerteza do cais, a vontade de proteção criaram as prisões, inclusive aquelas com grades presas aos olhos, segregaram o homem dito culpado do disparo, acabaram por inventar assim uma arma empunhada à própria pele, classificaram os errantes sem se dar conta do ciclo, puniram então alguns em nome de todos feito manchete de jornal, não resolveram a guerra, a chave do portão não prende os desejos.

3 comentários:

  1. Em nome de, salva. Em nome de, tranca.

    ResponderExcluir
  2. O_O".Sem culpado? Tem que ter um julgamento!

    ResponderExcluir
  3. pois é Guilherme, cria-se um algo maior pra dar consistência as leis sem sustenção...

    e Emilie, tenho questionado bastante sobre o modo como são feitos os julgamentos, como os culpados são distanciados de outros ditos inocentes, e de como eu e você, e todo o restante do mundo, somos resposnsáveis por toda essa trama.

    ResponderExcluir