sábado, 6 de junho de 2009

encontro de mãos


não era o toque, mas a pele que ali existia. aquelas almofadas recheadas a encantavam. davam a impressão de que nos 24 anos de existência as mãos haviam sido usadas apenas para beijar. como se tivessem sido sempre privadas de qualquer lágrima. por isso o carinho dela nas mãos dele era na verdade um prazer egoísta. ela tentava assim dar certa maciez a sua áspera palma. um verdadeiro encontro de mãos.

2 comentários: