sábado, 4 de agosto de 2012

seria possível?

e se todos pertencessemos a um único país,
e se a gente parasse de competir com fronteiras inventadas,
e se interrompéssemos o levante de muros e cercas das falsas propriedades,
e se focássemos nos seres humanos que todos somos, cá ou acolá,
e se o mundo se voltasse para o bem-comum e percebesse que a fome que assola o outro continente é responsabilidade de todos,
com poucos pincéis poderíamos desenhar um novo mapa mundi, sem contornos, sem divisões de riquezas, é mesmo vazia a acumulação dos cifrões, principalmente em tempos comos os nossos. afinal, respeitadas as diferenças, somos um povo com necessidades comuns.

Nenhum comentário:

Postar um comentário