terça-feira, 9 de outubro de 2018

carta pra você

sempre acreditei no poder das palavras, logo, no poder das cartas. acho bonito letras grafadas no papel, e mais bonito ainda a ideia um tanto quanto romântica de que penso em você enquanto escrevo. acabei de ver o filme "Enrolados" e uma cena lembrou você. foi quando ele disse a ela que o sonho dele tinha se transformado nela. confesso que chorei, e que costumo me inundar com declarações de amor. mas ao mesmo tempo me veio você, na minha varanda, desabafando seu medo de guardar os remos ao tropeçar em um romance. eu sei que te prometi com palavras ditas e escritas na parede, porém, as cravadas em cartas têm maior valor, e por isso, refaço aqui nosso pacto velejante. moço bonito, te conheci já dentro de um sonho, e desde aquela noite às margens do Maleta eu pisei no barco seu. quero te dizer que sonho é coisa séria, sagrada, coisa imensa, e que eu não costumo roubar os amanhãs. pelo contrário: invisto na costura do futuro. sei também que palavras (ditas, escritas ou pensadas) não valem mais que os fatos, e pensando nisso te convido a me deixar tecer o sonho seu enquanto ainda estivermos em solo firme. te convido a construirmos uma despedida consciente, que pode, quem sabe, ser apenas física, ou nem isso. te convido a sonhar o sonho seu comigo, na certeza da concretização. te peço: venha sem medo, eu não sou feita de âncoras. te espero, sem rascunho e com saudade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário