domingo, 19 de junho de 2011

sede de...

vontade de me vestir inteira de preto beirando as curvas, contornar de vermelho latejante os lábios que encontram outros, desejo de me perder na surdez do som no último volume, dançar até que o corpo se transforme em cordas de violão que alguém escolha tocar, vontade de voltar atrás e rasgar as páginas antes da leitura, descer a montanha e pensar que o céu é o limite, desejo de acreditar na embriaguez de um copo de álcool, e deslizar meus pensamentos em um mundo ainda tão utópico, vontade de pendurar o sol e a lua no brindar das taças, e desmanchar as interrogações ininterruptas, desejo de nunca ter saído do meu quarto e entrado em tantos outros, ao ponto de não me reconhecer na minha própria história, vontade de construir um caminho mais tranquilo, desenhado no mapa, desejo de ter ninho e ter sentido.

Nenhum comentário:

Postar um comentário