segunda-feira, 11 de fevereiro de 2008

PS: Eu te amo

o amor é o sentimento que mais me faz suspirar, até mesmo porque ele instiga todas as outras formas de sentir... quando assisto filmes assim tenho vontade de ter algo em que eu possa libertar meus pensamentos que não param de vagar pela minha mente infinita. mais uma vez sem linhas e sem rimas. agora, preciso sentar em frente a minha imaginação, pra deixá-la falar. ela precisa se expressar. tenho muita dificuldade com os filmes... acho que eles se confundem com a realidade. quando acaba a história fico com a sensação de que estou vivendo dentro daquela tela... uma simples ação na minha vida tem a proporção de um longa metragem com direito ao oscar de melhor roteiro.

hoje acordei com meus olhos inchados. desculpe, mas tenho que assumir: gosto de chorar em filmes. admiro quem consegue se exprimir. não gosto de caras chapadas, com a mesma cor em diferentes situações. mas não choro simplesmente porque gosto. choro porque me transformo num personagem da história e eu fico ali, acreditando que aquilo tudo faz parte do que acontece quando o filme tem fim. incrível: mas até hoje espero que o príncipe dos contos de fadas apareça dentro do meu enredo. não tenho paciência pro mundo preto e branco. pra mim tem que ser colorido e com formato de borboleta.

algo me incomodou nesse filme: as pessoas não são eternas. estamos sozinhos. a vida sempre acaba na morte... claro, acaba a vida concreta. porque tudo se mantêm no ar. há sentido na solidão? não quero alimentar a morte se ainda há vida. desejo apenas a manifestação constante dessa vida, pois alguns morrem antes mesmo da última respiração. vou terminar tudo agora com ps: eu te amo. o amor é o grande segredo.

tive prazer em constatar a beleza do meu caminho. é cruel fazer o ser humano trabalhar em troca de salários. essa busca por algo que não possa ser contado em cifrões é árdua. queira eu ou não o sistema é capitalista. e me ver saindo dele é uma das emoções mais fortes que sinto. é uma vitória... é vida. e ela está transbordando meu ser.

Nenhum comentário:

Postar um comentário