domingo, 6 de junho de 2010

de hoje em diante

tá faltando poesia, tá parecendo maresia.
tá sobrando dinheiro, tá ficando cabreiro.
tá precisando de água, tá secando a enxurrada
agora só chove de gota em gota, não carrega nem uma trouxa
menino, acorda, já não dá tempo pra perder tanto tempo
sai desse quarto, abre a janela, vem que a noite hoje é amarela

obs: estou te esperando...

5 comentários:

  1. Gostei, Débora! :)

    O retrato de uma realidade muito bem descrito na sua poesia.

    ResponderExcluir
  2. "De vez em quando Deus me tira a poesia. Olho pedra, vejo pedra mesmo.”

    Adélia Prado

    num é que é? rs.

    ResponderExcluir
  3. Fernanda, e aí eu te pergunto: realidade cria a gente ou somos nós quem criamos a realidade?

    Mari, é sim! e quando eu me vejo dessa forma não há raio de sol que pinte o céu eternamente nublado.

    ResponderExcluir