sábado, 4 de dezembro de 2010

de tão lúcida chega a ser louca

desgraçada era ela por ter visto o que viu e ter que, agora, se contentar com o que vê. não era raro vê-la implorando por olhos mais doces, capazes de pintar aquela latente realidade. chegara ao ponto de esfregar o rosto dele, retirando a maquiagem que o inventava. esfregava a mentira até chegar no fundo das cicatrizes do tempo. luxo foi quando conseguira colocar no mesmo barco sua razão e paixão, colocando fim as algemas da pele. via-se ali navegando entre ondas de destino certo, compreendidas pela total ausência de portos fingindo proteção. e agora restava isso, a concretude das coisas que não se podia questionar. era mais adequado florescer palavras aromatizadas propositalmente e viver carregando matérias sem dono. depois que a mente apreende aquilo que vê não há outra alternativa a não ser a hipocrisia, única forma de sobrevivência. chamariam isso de loucura, porque a loucura é o ápice da lucidez.

2 comentários:

  1. escrita linda a sua, viu?

    tem uma música que lembra o q vc trata neste texto...

    =*

    ResponderExcluir
  2. Samis, mais linda que a escrita presa na tela é a leitura que você faz dela... e sobre a música, conte-me qual é! deixe-me escutar você.

    ResponderExcluir