quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

dias assim

as vezes eles me tiram o chão, me deixam ali, em estado de passagem, prestes a me jogar do primeiro abismo, talvez do primeiro degrau, as vezes repetem os textos e pretextos, eu decoro os dias, memorizo as expressões, como se estivesse colado na face uma mesma história impedindo as possibilidades, endireitando as curvas, sinto-me angustiada diante das coisas iguais, apesar das semelhanças serem culpa dos olhos meus, me culpo também, não são só eles, sou eu refletida neles, nos misturamos, perdemos a cor, fundimos os nomes, nos tornamos pele...

Nenhum comentário:

Postar um comentário