sábado, 28 de maio de 2011

mãos miúdas

e quando eu te abraço por mais que eu me estique inteira não há corpo que envolva por completo o seu, minhas mãos se tornam miúdas entre tantos camminhos de pele, até meus olhos se perdem entre ângulos que deixam escapar detalhes, você é imenso, não há palavra que te caiba, não há vida que te sacie.

2 comentários:

  1. E não há palavras, que a tudo isso explique.
    Sentir é melhor. Adorável plenitude do amor, o teu poema.

    Abraço e boa semana.

    ResponderExcluir
  2. Blakhorshed, e escrever é como sentir outra vez, e ler a mim mesma é guardar por toda a eternidade tal sentimento. tamanha é esta preciosidade, não é mesmo?

    ResponderExcluir