sexta-feira, 2 de setembro de 2011

esta é a minha lei

decretava em tom de lei a proibição das casas sem teto, dos pés sem chinelos, do corpo sem alimento, do inverno sem o verão, da voz sem escuta, do desejo sem a necessidade. decretava a verdade, sem mentiras contadas por cifrões, decretava a nudez, sem roupas pra tornar distante a essência. decretava a autoridade da poesia, da música, dos pincéis, das curvas do corpo em movimento, da dança, dos olhos encontrando outros olhos, da mãos percorrendo a pele. decretava o fim dos sentimentos que extrapolavam o corpo, não sobrava espaço para o ódio, violência, inveja. decratava a obrigatoriedade do amor, em qualquer medida, a qualquer tempo, de qualquer forma. decretava a própria lei.

Nenhum comentário:

Postar um comentário