terça-feira, 3 de abril de 2012

alívio imediato

aos poucos fui quebrando tijolo por tijolo, fui abrindo os caminhos, deixando as estradas mais largas, ao ponto de não saber onde é mesmo que se começa e se existe mesmo um lugar onde se termina, deixei o trem passar quantas vezes fosse necessário, até dar vontade de entrar no primeiro vagão e descer na primeira janela avistada, aos poucos consegui deixar o tempo fluir entre o meio-fio que me conduzia invariavelmente para aquela direção, quando senti meu corpo vestido de vento descobri-me inteira, sem faltar qualquer pedaço, no fundo eu sabia que o passar dos dias me traria alívio imediato.

4 comentários:

  1. essa não é aquela ideia de que o tempo cura? não sei. mas, pra mim, a única coisa que pode vir com o tempo é o esquecimento.

    Suzi

    ResponderExcluir
  2. Suzi, pra mim não há qualquer hipotese de esquecimento, na verdade, o tempo nos ajuda a lembrar. o tempo substitui a dor pela beleza das memórias.

    ResponderExcluir
  3. Nunca haverá o esquecimento.
    Haverá, pois,
    apenas a caixinha de pandora
    e as marcas na pele da alma.

    Estou a segui-la.

    ResponderExcluir
  4. Jéssica, pela esta, que se torna completamente visível aos olhos em tempos assim.
    obrigada pela visita.

    ResponderExcluir