quinta-feira, 17 de março de 2011

nossos beijos sem lábios

achou mais prudente guardar entre os lábios os beijos que já eram dele. era mais seguro do que beijá-lo. o beijo poderia desmanchar o presente, limitando-a de entregá-lo quantas vezes quisesse. freiava então a primeira frase dos lábios, se resumia entre sílabas isoladas ditas pelos seus olhos. beijava-o então, sem lábios. beijava-o sempre, a cada encontro dos cílios.

3 comentários:

  1. "beijava-o sempre, a cada encontro dos cílios."
    pelos olhos que revelam


    lindo

    ResponderExcluir
  2. amei o seu blog, ja me tornei segy=uidora. visita o meu tb...
    beijos

    ResponderExcluir
  3. Samis,
    beijos soam como contratos sem assinatura, e que bom que assim os são, pois deixam os caminhos livres pra qualquer que seja o desejo da asa.

    Regiane,
    aqui eu guardo a minha poesia mais íntima, claro que não tanto quanto aquela que acontece diante dos olhos, mas guardo um quase isso. vou visitar você agora...

    ResponderExcluir