sexta-feira, 30 de maio de 2008

calça xadrez









ela precisa correr
o despertador dela vive em alerta
quando a vejo passar sempre está de saída
mas se a vejo parada, respirando, apenas sento e ouço
ela dispara a falar das coisas que acordou pensando
no dia mesmo… não são inquietações passadas, mas também não são do presente… tempo inexistente
não tente pegá-la no vento
ela não é palpável, nem controlável
ela não faz roteiros
desista de esperá-la para ver um filme às 19h30
e não resista caso ela te chame pra tomar um copo de suco de laranja a noite
a única coisa que sei é que as marcas dos sapatos ficaram aqui
a calça xadrez cor-de-rosa faz toda a diferença
ainda que todas as flores decidam pintar o céu de anil

2 comentários:

  1. enquanto entrava na margem, o sol entrou na calça. no rosa da calça. fez uma espécie de cócegas no contorno das pernas. fiquei bamba. abrindo e fechando o organismo pro riso de olhos cansados. pensei em soneto. em refrão independente de banda desconhecida.mas lembrei da bota e das bolas. lembrei das estampas que vc vez em quando coloria naquele verde triste de fundo. de pé de valsa. de tentativa de ser bonito. lembrei da madeira do banco molhado de chuva. do suco. do erro de porta. da cara feia. e dos nós virtuais. das tripas declaração. acho que foi aío que nasceu a nossa lira.
    até pq não é todo mundo que acredita que exista de fato suco de laranja na madrugada. fruta na madrugada não é pra qualquer um. é quase extremo. contra-corrente. subversivo-pub-dadaísta-cão-esporte-clube.e eu. eu achei bonicto. assim com eco. meio grego-mineiro-asas-labirintos. e quer saber? a gente gosta é de drama.de roda gigante. de poesia. e eu. de novo. gosto de você. oras. piegas. e simples assim. como borboletas.

    ResponderExcluir
  2. o nosso canto a gente inventa. desafinado, mas pulsante. a gente sobe na montanha e segundos depois já estamos debaixo da terra. sim, somos roda gigante. unidas pelos vales e picos...

    ResponderExcluir