quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

constelação

- você tem vivido que aventura por aí?
- quase nenhuma. não tenho vivido muita coisa... as coisas estão se repetindo
- pois é. depois que se vive muito a gente desaprende a viver pouco
- meus planos se foram pelo ralo... eu sei. cedo ou tarde eles voltarão, mas nesse exato momento... estão longe das minhas mãos
- eu só me lembro de um dos seus planos. quais eram os outros?
- quero morar na praia... em uma cidade sem agitos. ter um bugue, sabe aqueles bugues??? que você anda com o vento batendo na cara? até cachorro gosta de vento na cara, imagina eu
- você falando assim me deu vontade de ir pra SP, naqueles dias que você estava lá.
você ainda está lá?
- somente meus sonhos. servem meus sonhos? acho que você ainda pode encontrá-los por lá.
- do ser humano eu quero principalmente os sonhos... mas por quê você deixou seus sonhos por SP? por quê não os carregou com você?
- não... eu não sei onde eles ficaram... sei que estão por ai... talvez seja lá. não exatamente lá. talvez estejam na rodoviária... me esperando
- tem vaga no ônibus que você vai pegar?
- precisa levar o quê?
- não pode levar nada... precisa apenas dos dedos... para escrever no vidros embaçados de água
- tem data?
- não.... só depois que encontrar o sonho. se vc for... pra onde quer ir?
- você acha que sonho está em todo lugar?
- acho que não. por exemplo, sei que aqui ele não está.
- estará onde? enterrado? ou debaixo daquela estrela que a gente viu naquela noite?
- espero que nao esteja enterrado... prefiro que esteja debaixo daquela estrela...
mas... não sei onde ele está. se você ver por aí... me avisa.
- e saber? acho que a gente não precisa saber.
- você é assim mesmo.
- assim.
- hora de ir pra casa.
- hora de esperar o dia nascer. é sempre bom ler a sua poesia.
- é sempre muito bom falar com você... agora por exemplo... acho que que vou encontrar meu sonho novamente. não hoje, não agora, mas acho que ele ainda não está enterrado. você me faz sentir isso.
- até a próxima parada.
- beijos.
- beijos e estrelas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário