segunda-feira, 22 de março de 2010

espelhos

disso ela sabia, que tinha que parar com essa mania de carregar espelhos pra todo lugar que ia, como se os outros tivessem que ser reflexos dela. começava a entender que as linhas não eram as mesmas, que as vezes elas se emendavam, as vezes se cruzavam, e as vezes se arrebentavam. e o mais importante: era essencial que fosse assim.

Nenhum comentário:

Postar um comentário