domingo, 9 de maio de 2010

um conselho

a verdade é que os dias vão nos limitando. e aí não podemos comer isso, beber aquilo, tomar sol... entre tantas outras paredes que vão se criando. eu não sei bem... acho que o nosso corpo vai perdendo a força... mas a gente não pode se negar dessa forma. as nossas delícias... acho que se hoje me dissessem que eu não poderia tomar sol eu ainda assim tomaria, porque isso está em mim. há mais vida debaixo do sol do que nas sombras. e eu tomaria sol ainda que isso me aproximasse do fim. mas eu entendo você... porque você quer eternizar seu pai. eu também quero eternizar as pessoas que estão ao meu redor, não quero vê-las se acabando sabendo que poderiam prolongar, talvez, os dias. mas tudo é tão improvável, que eu diria que eu prefiro ver a felicidade agora que a prudência constante. a prudência das coisas que não nos cabem. já não podemos escolher as nossas datas. é complicado mesmo... as vezes penso que se eu tivesse câncer, eu não iria querer fazer quimioterapia. seria uma forma de morte momentânea e não me dá vontade de morrer nem um dia. é o amor que dá sentido. tenho pensado tanto sobre isso. ame seu pai, da forma máxima que você puder. de uma forma que não te dê medo do dia seguinte. de uma forma que você viva todas as coisas com ele agora. eu não sei fazer isso também... sou tão limitada. mas é assim que devemos ser... que devemos tentar ser...

2 comentários:

  1. Ame seu pai, da forma máxima que você puder. De uma forma que não te de medo do dia seguinte.
    Quase chorei. Juro.
    Muito lindo *--*
    www.almostagoodgirl.blogspot.com
    passa lá :*

    ResponderExcluir
  2. as vezes chorar é a coisa mais gostosa que há, não é mesmo?

    ResponderExcluir