domingo, 16 de novembro de 2008

acelerando os ponteiros

se ela me espremer sairá um líquido ácido, acumulado desse pedaço azedo de mundo sem mar. ando com ânsia de me deitar naquela rede de cumplicidade, na varanda do nosso sítio. encolher minha pele nas curvas dos dedos de minha mãe. colocar estrelas nos meus olhos em uma longa troca de sangue com meu pai. com ele eu ainda quero sentar na grama e ver a vida passar entre os galhos de madeira cheios de folhas. ando com necessidade de dormir ouvindo a minha própria respiração. acordar com as minhas primas Gisele e Patrícia arrombando a porta com desejos de brigadeiro. quando eu encontrá-las vamos rapar juntas o doce nas esquinas da panela. vou fazer questão de sumir por algumas horas pra memorizar a cor do sorriso da minha irmã. nós teremos muito a contar sobre esses nove meses de saudades. peço apenas que os próximos três meses passem em três dias...

3 comentários:

  1. imaginei direitinho tudo o q vc disse.
    imaginei o sitio e o amor que vcs plantam lá.
    imaginei os pedacinhos de vida por detrás dos galhozinhos....
    tudo lindo.

    ResponderExcluir
  2. Debinha,
    esperamos vc, a vida corre e bem rapidinho vc chega, não é mesmo...
    Mil bjs
    Titia

    ResponderExcluir
  3. ah... a nossa imaginação... ela é quase uma realidade inventada!

    ResponderExcluir