terça-feira, 11 de novembro de 2008

terceiro fundraising

Estou na minha terceira arrecadação de fundos, desta vez em Nova York. Chegamos na quarta-feira à noite, dia 05/11. Nesta cidade é muito difícil conseguir doações, acho que cheira demais a capitalismo, passos rápidos e saltos altos. Mas mesmo no meio de tanta correria eu pude ver muitos pés descalços. Na noite de sexta-feira um homem me falou de saudade. Ele abandonou os filhos e veio para os Estados Unidos há 20 anos, porque a ex-esposa o traiu. Agora ele quer voltar... pra ver crescer pelo menos os netos. Molhamos o rosto juntos lembrando assim da vida que se passa sem os nossos olhares. Nesta mesma noite um outro homem me contou que estava com câncer. Ele disse que ficou três meses sem poder sair de casa e que durante todo esse tempo não recebeu nenhuma ligação dos amigos que fez em Nova York. Provavelmente eles estavam ocupados pensando em formas de ganhar mais dinheiro. No sábado mudamos para a casa da Maria, que conhecemos na Igreja Católica. Neste dia fomos para uma cidade próxima, chamada Mount Verno. Eu fiquei em frente a uma churrascaria brasileira, cujo dono chama-se Siminho. Que pessoa fantástica! Geralmente os donos dos comércios pedem que a gente fique na parte de fora para não atrapalhar os clientes. Siminho queria que a gente entrasse e pedisse doações às pessoas nas mesas, não importava como nem quando. Pra ele bastava o motivo! Domingo mais uma surpresa! Fomos a uma Igreja Evangélica em Nova York para provar que toda generalização é burra. Na maioria das vezes os pastores não nos dão tanta abertura para arrecadarmos fundos nas Igrejas. Mas desta vez o pastor Humberto abraçou a nossa causa de tal forma que roubou qualquer resto de beleza nossa pra ele. E não pára por aí! Hoje conheci um americano que trabalha há dez anos limpando os vidros dos comércios. Com um balde cheio de água e sabão ele limpa 255 lojas por semana. Com orgulho ele me disse que é o próprio dono do seu negócio e que ama o que faz. É muita simplicidade pra um homem só!

2 comentários:

  1. Ei princesa....
    qto tempo, sinto saudades.
    Seus relatos me emocionam, é como se fosse eu nesta batalha diária.
    Sempre, sempre acreditando em vc.
    Que Deus te acompanhe todos os dias...
    Bjs.
    Titia Maria

    ResponderExcluir
  2. titia, não é faz de conta. você está aqui. sei que pode parecer difícil perceber, mas estou chegando pra mostrar cada detalhe para você com os olhos meus.

    ResponderExcluir