segunda-feira, 9 de agosto de 2010

ditadura do espelho

tinha receio de que um dia ao se olhar presa em um segundo de uma fotografia já não se reconhecesse debaixo de tantos bisturis e maquiagens. era o inverso daquilo que se podia ser. o mundo cobrava contornos muito exatos, de uma conta que ela não sabia fazer. se nascia cabelos pelo corpo neste mundo já não podiam crescer. se a pele se cansava depois de tanto se expressar neste mundo era quase obrigada a se esticar. se o corpo transformava calor em cheiro neste mundo era urgente perfumar. queria ela mais esquinas como as das ruas de tempos atrás, cheias de mulheres vestidas de um sorriso e algo mais. bonito mesmo era ver uma ruga nascer bem no canto do olho que tantas vezes ela viu amanhecer. ah... como ela queria poder voltar a ver...

Nenhum comentário:

Postar um comentário