domingo, 28 de dezembro de 2008

peixe grande

realidade é coisa pra seres imortais. pra gente de carne e flores é preciso, eu diria, que de vento. de algo assim mesmo. que so se faz visivel com a pele e com a imaginacao. eh muita pobreza pensar que a vida eh isso que a gente pode ver. ha tanto pra se inventar. passando pelo mesmo caminho durante dias a gente ainda descobre que debaixo daquela arvore ha uma sombra gostosa, pronta pra ser abracada com o corpo espalhado na grama. e no outro dia mesmo aquele lugar passa despercebido, porque a gente acaba por esbarrar com tantas outras arvores... mas eu sei. um dia acabamos voltando na primeira arvore. eh um ciclo. imaginario. eu tambem me perco nesse mundo de Alice. vejo-me rendendo a promessas, naturalmente furadas. de nada vale o que uma noite foi dito, pode esquecer aquela carta que voce ainda guarda. o que permanece eh a pele! e pele a gente guarda na memoria e no agora, mas sem querer transformar isso em novos contratos. esqueca as assinaturas. recrie-se. o meu mundo eh particular. tem estorias que sao minhas e que de tao minhas passam de mim pro mundo de fora. realidade inventada. peixe grande eh a escolha da melhor cor para aquele dia. nada de usar um tom qualquer. tem que ter vida ate na tristeza.

2 comentários:

  1. nunca parte da minha desiluzao.
    vc ta sobre isso tudo.
    vc EH o vestido de bolinhas vermelhas.
    tenho vontade de te dar a mao e juntos pularmos estrelas. vontade de colher gotas de chuva.
    debs.
    voce sabe pra sempre ?
    pra sempre

    feliz aniversario

    bjos
    amo.

    ResponderExcluir
  2. vamos manchar as nossas cores. porque você sabe que as minhas bolinhas vermelhas combinam muito com o seu cachecol amarelo-listrado.

    ResponderExcluir