segunda-feira, 11 de abril de 2011

o outro que não sou eu

- queria falar do Will.
- está indo bem?
- acho que sim.
- já discutiram sobre o futuro?
- ainda estamos no passado.
- pois deviam. não paro de receber propostas de emprego.
- de que tipo?
- matemática de ponta, institutos de pesquisa, onde a mente dele não terá rédeas.
- ótimo, mas ele ainda não está pronto pra isso.
- acho que não entendeu, Sean.
- não entendi o quê?
- não se trata de mim. não sou nada comparado a este rapaz. em 1905 professores renomados estudavam o universo, mas foi um suiço de 26 anos, cujo hobby era física, quem mudou o mundo. e se Einstein preferisse encher a cara com os amigos em Viena? todos sairíamos perdendo.
- dramático Gerry.
- não, não é. esse garoto tem um dom. falta-lhe direção, mas isso nós podemos lhe dar. é a isso que me refiro. temos de dar direção ao garoto. ele pode ajudar o mundo, e nós podemos ajudá-lo.
- direção é uma coisa, manipulação é outra. tem de deixá-lo...
- não passo a noite torcendo meus bigodes maquinando um plano pra arruinar a vida dele. com 18 anos eu já fazia matemática avançada e levei 20 para ganhar a medalha Field.
- talvez ele não queira. há outras coisas além da medalha Field.
- isso é muito importante, está acima de nossa rivaliddae.
- vamos falar do garoto. dê-lhe tempo para saber o que quer.
- ótima teoria, funcionou com você, não?
(...)
- ouça. porque ele não confia em ninguém? ele foi abandonado por quem devia amá-lo.
- não me venha com essa.
- por que ele gosta deles? porque eles te bateriam com taco na cabeça se ele pedisse. isso é lealdade. a quem ele manipula? ele afasta as pessoas, antes que o abandonem. é um mecanismo de defesa. viveu 20 anos sozinho por causa disso. se o pressionar, tornará a acontecer.
- não ponha na cabeça dele que é certo desistir, fracassar, porque não é.

(do filme Gênio Indomável)

3 comentários:

  1. " - não ponha na cabeça dele que é certo desistir, fracassar, porque não é."

    Gostei disso!

    ResponderExcluir
  2. Jéssica, eis aí o grande perigo, a idéia do professor era que seria um fracasso caso Will não seguisse a carreira que seu dom poderia lhe garantir, mas a verdade é que não há caminho certo, não há um lugar melhor que outro, há sim desejos particulares de cada um de nós. ainda que Will tivesse oportunidade de conseguir empregos cheios de status, ele não os queria, seus desejos eram outros. e é aí que a gente precisa parar pra enxergar o outro, tão diferente de nós. filme excelente, recomendo!

    e Fernand`s, sobre Einstein, foi forma de expressão do personagem, porque Will gostava de ir para bares, apesar do seu dom com os números. afinal, existem sempre tantas opções...

    ResponderExcluir